terça-feira, 28 de outubro de 2008

NNF

Os caras aí da Zorra são muito bons, por isso resolvi colocar mais uns vídeozinhos pra zoar!







FODA-SE!!!

Ah... o palavrão! Que coisa maravilhosa, não é?! Porque não tem jeito, só o palavrão consegue expressar certas coisas quando pensamos. Como diria o Cristian, como dizer de forma formal “gozar com o pau dos outros”, regozijar-se com o mérito alheio? Ou ainda, como conseguiríamos abrir mão de um dos maiores argumentos da nossa língua quando queremos desmoralizar uma tese, a famosa fórmula “de cu é rola”? Não dá, não dá!

Mas acho que o palavrão de ordem para 2008 foi o FODA-SE. Aliás, esse é um dos meus palavrões preferidos. Acredito que viveríamos muito mais em paz, se as pessoas mandassem muito mais FODA-SEs diariamente. O nível desestressador de um FODA-SE deveria ser objeto de estudo da psicologia, já que esta não faz mais nada de interessante mesmo. O FODA-SE é sem dúvida nenhuma a chave da salvação dos frangalhos desse ano.

O cartaz do Cristian ficou muito bom e o 3 foi o número eleito.

Abaixo um vídeozinho de Leandro Hassum e Marcius Melhem, os dois seguranças do Zorra Total. Eles brincam com um texto que fala sobre a importância do palavrão e dão um ótimo exemplo do que é o disque 3 para FODA-SE.

Ao sinal, disque 3 para FODA-SE; 33 para FOOODA-SE; 333 FOOOOOODA-SE....

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Meu agradecimento a todos bons ouvidos

Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir. Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa. Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor... Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar.

Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão. Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objetivo deve ser o de amigo. Deve sentir pena das pessoa tristes e compreender o imenso vazio dos solitários. Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer.

Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova, quando chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade. Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.

Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive.


Vinicius de Moraes



ps.: esse foi o útlimo que não escrevo porra nenhuma e só copio. o próximo já deve ser sobre o Santos mesmo... hohohoho...

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Peço licença à Adélia... pra falar por mim no lugar de minhas já criticadas palavras (não foi só uma pessoa que reclamou). Por isso, uso as palavras dela pra falar por mim. Um poema e uma frase. Pra alguns sem graça, pra mim genial.

Homilia

Quem dentre vós
dirá convictamente:
os alquimistas morreram
- aqueles simples -
morreram os conquistadores,
os reis
os tocadores de alaúde,
os mágicos.
Oh, engano!
a vida é eterna, irmãos,
aquietai-vos, pois, em vossas lidas,
louvai a Deus e reparti a côdea
o boi, vosso marido e esposa
e sobretudo
e mais que tudo
a palavra sem fel.



Minha alma é um bolso onde guardo minhas memórias vivas. Memórias vivas são aquelas que continuam presentes no corpo. Uma vez lembradas, o corpo ri, chora, comove-se, dança...
Hoje a tristeza não é passageira
Hoje fiquei com febre a tarde inteira
E quando chegar a noite
Cada estrela parecerá uma lágrima
Queria ser como os outros
E rir das desgraças da vida
Ou fingir estar sempre bem
Ver a leveza das coisas com humor
Mas não me diga isso
É só hoje e isso passa
Só me deixe aqui quieto
Isso passa
Amanhã é um outro dia, não é?
Eu nem sei porque me sinto assim
Vem de repente um anjo triste perto de mim
E essa febre que não passa
E meu sorriso sem graça
Não me dê atenção
Mas obrigado por pensar em mim

trecho de... Via láctea
Legião Urbana

terça-feira, 26 de agosto de 2008

"Nenhum homem é para uma mulher aquilo que ela pensa que ele é. Nem meus filhos serão."
la belle de ma vie

É... um dia, ela vai saber que não é ela o centro da vida. E vai ver que a vida nem começa e nem termina nela também. A gente simplesmente passa. Ela vai gritar, se chatear, espernear, mas tem coisas que a gente só percebe assim mesmo. E ela vai reconhecer quem esteve e estará ao lado dela sempre, mesmo quando estiver longe, pois pra longe ela vai. E nós estaremos sempre com ela e a esperá-la.

ps: a autora da frase é uma mulher de uma sabedoria enorme. eu empresto as conversas com ela pra todo mundo que quiser, mesmo pra quem se considera longe de mim.
Amo-a!

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Pra sempre com você eu vou estar

Eu não sabia mais o que fazer. É ruim de mais estar vendo um sonho ir embora, mas mais que um sonho, um desejo, é ver aquilo que se preza tanto, que se ama tanto indo pra longe, saindo do local que não deveria jamais pensar em deixar. Ah, Santos, é engraçado que seus momentos de baixa são ao mesmo tempo em que os meus. Mas é possível melhorar, com as atitudes corretas, limpando a sujeirada, tirando aquilo que tá ruim por perto e trazendo as pessoas certas pra perto.

E foi assim, pedi, pedi, argumentei e parece que eu tinha certa razão. O nome forte do Santos hoje é Serginho Chulapa. São três jogos após sua volta e o Santos está invicto. Claro que os dois primeiros jogos não animaram, pois foram empates. Mas o time já tinha mostrado melhora e parecia faltar é sorte pra que a vitória viesse. Contra o Flamengo foi assim, massacre do Santos e o burro do Domingos dá um pênalti de presente pro Flamengo. Contra o Ipatinga, o Santos também foi superior, mas deu um branco depois que marcou o gol e deixou o time de Minas empatar. O time voltou a jogar no 4-4-2 (já era tempo!) e voltou a mostrar vontade em campo. A vitória era mesmo questão de tempo e veio no domingo. Santos 2 a 0 no Cruzeiro, jogando bem, convencendo. Não jogou contra um time fraco e nem teve que usar a melhor formação por falta de opção, como fez contra o Vasco.

Claro que ainda me preocupo muito e acho dificílimo o Santos escapar do rebaixamento. Mas, depois de ontem, eu realmente vi uma ponta de esperança, mesmo sabendo que o Santos vai precisar somar pelo menos 30 pontos pra ficar de vez na primeira divisão.

Mas como estava escrito na faixa colocada na Vila, respeito é bom e nós santistas gostamos muito. Então, que daqui pra frente diretoria e elenco santistas comecem a respeitar de vez a torcida, a comissão técnica já começou a fazer isso.

Nitroglicerinado

Como diz um amigo meu: "aquilo que é bom, hoje é dia é visto como um fenômeno estranho." É verdade... e o pior que as pessoas dizem ainda que procuram de verdade essas coisas boas.

A sinceridade é algo assim. É algo que as pessoas dizem procurar, mas, quando é obtida, acaba soando estranho. Um professor da faculdade comparou a memória com um quartinho dos fundos onde guardamos nossas coisas antigas e de vez em quando explodimos umas bombas lá dentro. Algumas coisas permanecem bem fixas em lá enquanto outras acabam sendo destruídas deixando alguns fragmentos apenas.

Acredito que a sinceridade funcione de forma parecida. Toda vez que falamos sinceramente o que pensamos ou sentimos é como se uma bomba explodisse no nosso quartinho dos fundos onde guardamos nossas relações. Aquelas relações firmes que temos se manterão inalteradas, outras acabarão desaparecendo, talvez não fossem tão firmes assim. Às vezes, não somos sinceros pra mantermos todas as relações. Então, não explodimos bombas, mas é como elas fossem instaladas de qualquer forma. Bombas com sensores de movimento. O tempo vai passar e poeira se acumulará. Depois, a gente vai tentar limpar toda a sujeira acumulada com o tempo e vai perceber que tem coisa que tá tão suja que se torna um perigo mexer, a poeira encobriu as bombas. E quando decidimos limpar, as bombas acumuladas são acionadas mandando tudo pelos ares.

Então, é saudável que bombas sejam explodidas de tempos em tempos pra evitar maiores tragédias. Agora, é fato também que tem tempos que parecemos verdadeiros homens bombas, parece que as hemácias produzem nitroglicerina e falamos o que sentimos sem pensar duas vezes. Nesses tempos nitroglicerinados, é preciso ter 'muita calma nessa hora'.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

domingo, 17 de agosto de 2008

É mais ou menos assim uma história que eu ouvi.........

Muitos e muitos pilotos se formam. Porém, os que não são tão bem formados estão indo direto pro mercado de aviação interna do Reino da Cocada Preta. Eles é que enfrentam o problemático e arcaico sistema aeroviário desse lugarejo. Centros de comandos ruins e suas velharias, aeroportos com pistas tão boas quanto as das Marginais paulistanas, negligência na manutenção das aeronaves. Assim, os pilotos que não possuem tão boa formação vão pra essa enorme roubada e com certeza vão ter muito menos recursos do que aqueles que possuem uma melhor formação.

E alguém pode perguntar: "mas onde estão os que são melhores formados? eles existem?" Existem, sim. E mais, eles possuem plena consciência de todo problema vivido pelo reinado em relação ao sistema aviário e sabem que eles teriam mais condições de enfrentar as turbulências que se apresentam. Porém, eles acham que podem estar nem aí pra tudo isso e, em nome de um bom salário para si e uma condição de vida bem confortável, esses pilotos que tiveram acesso a uma melhor formação acabam indo pra um mercado de aviação que atende mais a uma nobreza de aeroportos do reino, se recusando a pilotar para aeroportos populares. Ou acabam ficando hipócritas, dizendo se preocupados com toda situação vivida pelos cocadapretanos e ficam em cabines de teste viajando em possibilidades de como melhorar o quadro geral, mas sem nunca ir de fato aos aeroportos. "Mas todos melhores formados são assim?".

Não, tem alguns que vão pra aeroportos, em reinos mais pobres, até tão ruins quanto os do Reino da Cocada Preta. Não vou dizer que não há vontade de pilotar realmente a aeroportos que precisam de gente boa pra tentar melhorar a situação. Mas o fato, nesses casos, é que muitas vezes se está, também ou principalmente, atrás de uma compensação financeira que é bem maior do que se ficasse nos piores aeroportos do reino em questão. Reinos unidos e velhos reinos preferem investir uma miséria pra captar alguns dos bons pilotos de Cocada Preta pra mandar pra esses reinos ao invés de mandar os próprios pilotos. O fato é que o salário dos pilotos cocadapretanos é muito baixo e qualquer mixaria já é melhor. Existem também alguns bem formados pilotos que se arriscam nos aeroportos populares do lugarejo, porém são tirados de loucos, pois se sujeitam a toda pressão e risco de pilotar nesses locais problemáticos.

A questão é que, com pilotos com não tão boa formação a frente dos aeroportos populares e sem os bem formados por perto, muitas e muitas almas acabam se perdendo em acidentes anunciados no Reino da Cocada Preta. E essa situação só tende a se agravar, pois ninguém quer assumir essas bombas que são os aeroportos públicos do reino......................

____________________________________


Por isso, aluno da USP (leia-se todas as públicas, mas sobre tudo da USP), eu te acho o mais cuzão de todos!

PS.: também vou prometer explicar melhor isso num próximo post. Ele será sobre as Olimpíadas de Pequim, mas vou esperar o término do evento.

Nota sobre a responsabilidade

Uma coisa impressionante que vejo hoje é falta de responsabilidade que as pessoas sentem em relação umas às outras. As pessoas só se comprometem com suas vontades e deixam de lado tudo que não pertencer àquilo que ela quer. Se os outros estiverem ou passarem por aquilo que for seu desejo, bom pros outros, pois se não passarem, as pessoas passam uma por cima das outras. Essa realização de desejos e vontades parecem ter a ver com uma certa busca pela felicidade que, tolamente, nós humanos procuramos. Tolos porque a felicidade não é de nenhuma forma fim de nossas ações, quando a vemos assim, a felicidade pode ser considerada somente um gozo de um momento, ou seja, é algo que vai passar. Então, não se é feliz de fato, tem-se apenas um prazer momentâneo que simula uma felicidade instantânea.

A responsabilidade tem tudo a ver com uma noção de felicidade que prefiro cultivar. Somos responsáveis em fazer tudo aquilo que é certo, mesmo que nos venha causar dor. E nem me venham falar que esse conceito do que é certo e errado é muito relativo, pois isso é papo de quem foge da responsa. Ter responsabilidade nesse sentido é ser ético, ou seja, assumir tudo aquilo que fez e fazer as coisas a favor ao outro, ao próximo. Mesmo que isso não seja tão bom assim, mesmo que não haja esse gozo tão intenso de um momento, nós podemos dormir com plena consciência daquilo que escolhemos para nós e não vamos justificar nossos atos com impulso de algum instinto nosso. E isso, por mais estranho que possa soar para alguns que sentem a necessidade das realizações imediatas, pode trazer uma sensação de felicidade que durará muito mais que um simples momento, mas - quem sabe? - toda uma vida.

PS.: Eu prometo tentar deixar mais claro isso em outro texto que deverá se chamar qualquer coisa como "Das vantagens da fala". Tá quase maduro, mas ainda preciso tirar algumas coisas que eu sei que não fazem bem nem ao texto, nem a mim.

sábado, 16 de agosto de 2008

Ele foi embora...

Mas é eterno pro mundo da música.






PS: vejam só quantos imortais perdemos esse ano! Que coisa... Se cuida, hein, Zagallo.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Meia portuguesa, meia baiana

domingo, 10 de agosto de 2008

Há em certos momentos inversões de papéis. E ontem foi assim, meus amigos que acharam que iriam constranger minha família pela bagunça acabaram saindo constrangidos pela zoeira que minha família fez comigo. Brincadeira, a história não é assim também! hahahahaha

Churrasco memorável e até o final foi Premium! Obrigado a todos! Depois faço um post mais legal e com fotos. Ah... terá no blog da DR também. Mas hoje não que é dia dos pais e ainda tenho muito a fazer! hehehehe

Pônei no cu

É assim, uma criança vai lá e fica pedindo um pônei. Você não vai dar um pônei pra criança só porque ela quer assim de primeira. Mas ela começa a te mostrar que quer muito, te mostra que saberá cuidar, que terá responsabilidade, que dará o que de comer e tudo mais. Aí você se convence que a criança pode ter o pônei mesmo. Quando finalmente você dá o pônei pra ela, ela brinca, se diverte, mas tem apenas um prazer efêmero de ter aquele pônei. E aí ela vai procurar outro otário pra dar um pônei pra ela. E você diz: "O que faço com o pônei?"... e ela não diz, porque é apenas uma criança, mas olha com aquela cara de "enfia no cu".
_____________________________________


O que me irrita de verdade é molecagem! Se você não quer realmente alguma coisa que vai demandar um esforço muito grande de outra pessoa, então, não peça! Pois falar depois que não é bem assim é ser muito moleque! E isso é uma das poucas coisas que me irritam de verdade.

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Meu pedido

Psssiu... ei... você mesmo. Psssiu... Vem cá. Dizem que hoje eu poderia pedir qualquer coisa, qualquer coisa mesmo. Poderia desejar o mal de alguém, um acidente, uma furadinha de zóio. Poderia querer ficar rico, uma megasena, um concurso ferrado, achar um bilhete premiado perdido. Poderia pedir amor, mas me desculpe, prefiro que me amem sem mandingas mesmo. Isso tudo, pra mim, é bobagem. Só queria uma coisa mesmo hoje, uma coisa só. Vença! É só isso o que eu peço! Jogue no esquema certo, limpe a sujeira pra motivar o grupo! Que hoje seja o início da real reação! Que hoje vença, mas que vença convencendo, não enganando! É tudo o que eu quero. E sei que milhões querem e pedem por isso também.

Que, hoje, o canto ouvido nas arquibancadas de time da virada seja verdade absoluta!

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Passaporte pra Copa de 2014!





Ele voltou! Trouxe de sua viagem duas medalhas no peito e muita história pra contar!

1º Lugar na Puma Cup 2008 - Grécia
2º Lugar na Gothia Cup 2008 - Suécia (o maior torneio do mundo na categoria)

Parabéns, Netão!

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Não posso deixar passar em branco

Nas duas últimas semanas, tava foda. Trampo até as tampas! E aí não consegui postar quase nada, levei até intimada pra atualização. E olha que tem muita atualização, mas algumas cenas dessas duas semanas eu pesquei em notícias e não dá pra deixá-las passar assim em branco.

A primeira é do site do time Al-Sadd. Lá eles noticiam que vão contratar o ‘Limao’, ao invés do Leão. Isso aí tinha que ser encarado como um sinal de que o caríssimo técnico vai conseguir azedar mais um time.


Falando em azedar, o arredondado Ronaldo deveria admitir logo de uma vez que sua carreira não só azedou, ela já foi pro vinagre mesmo. Olhando essa foto eu até acho que to bem, viu?! Eu ainda continuo acreditando na teoria que quem morreu foi o Ronaldo e quem tá aí é o Bussunda. Ou pode até ser mesmo que o Ronaldo esteja grávido de Andréa Albertini. Na semana passada, nasceu a filha de um transexual. Será que há algo que ainda não sabemos do passado de Ronaldo? Mistério!

Ah... mas o mundo não é só essa feiúra apresentada pelo redondo. Conhecemos nesse período a nova Miss Universo. E é ela é simplesmente espetacular. Aliás, ano passado a venezuelana que tinha chegado à final era mais gata que a Miss Tupiniquim. E não é que a terra do reizinho Chávez conseguiu mais uma linda representante. Extasiante a beleza dela, tem umas outras fotos dela, que não vou postar aqui, que é realmente demais! Mas a dona Miss parece que vai querer revolucionar a indústria de ‘brinquedos pra adultos’. Essa foto ficou realmente muito zoada. É quase da série “separados no nascimento.

Por fim, e pra fechar com beleza também, veja só que mundo injusto. Quer dizer que modelos fazem fila pra ser gandula de tênis. E veja só que são belas modelos! E aí, como é que ficamos nós que adoramos futebol? Temos que nos contentar com as candangas cheerleaders que às vezes pintam no Pacaembu? Mundo injusto, não?!

segunda-feira, 28 de julho de 2008

...

domingo, 27 de julho de 2008

Minha pós-utopia em Caraguá

Peço perdão ao plágio dos textos, perdão por pegá-los assim tão na cara dura. Mas faz-se necessário neste caso, ou melhor, neste momento! Vocês me perdoam? =)

Das vantagens de ser bobo
Clarice Lispector

O bobo, por não se ocupar com ambições, tem tempo para ver, ouvir e tocar o mundo. O bobo é capaz de ficar sentado quase sem se mexer por duas horas. Se perguntado por que não faz alguma coisa, responde: "Estou fazendo. Estou pensando."

Ser bobo, às vezes, oferece um mundo de saída porque os espertos só se lembram de sair por meio da esperteza, e o bobo tem originalidade, espontaneamente lhe vem a idéia.

O bobo tem oportunidade de ver coisas que os espertos não vêem. Os espertos estão sempre tão atentos às espertezas alheias que se descontraem diante dos bobos, e estes os vêem como simples pessoas humanas. O bobo ganha utilidade e sabedoria para viver. O bobo nunca parece ter tido vez. No entanto, muitas vezes, o bobo é um Dostoiévski.

Há desvantagem, obviamente. Uma boba, por exemplo, confiou na palavra de um desconhecido para a compra de um ar refrigerado de segunda mão: ele disse que o aparelho era novo, praticamente sem uso porque se mudara para a Gávea onde é fresco. Vai a boba e compra o aparelho sem vê-lo sequer. Resultado: não funciona. Chamado um técnico, a opinião deste era de que o aparelho estava tão estragado que o conserto seria caríssimo: mais valia comprar outro. Mas, em contrapartida, a vantagem de ser bobo é ter boa-fé, não desconfiar, e portanto estar tranqüilo. Enquanto o esperto não dorme à noite com medo de ser ludibriado. O esperto vence com úlcera no estômago. O bobo não percebe que venceu.

Aviso: não confundir bobos com burros. Desvantagem: pode receber uma punhalada de quem menos espera. É uma das tristezas que o bobo não prevê. César terminou dizendo a célebre frase: "Até tu, Brutus?"

Bobo não reclama. Em compensação, como exclama!

Os bobos, com todas as suas palhaçadas, devem estar todos no céu. Se Cristo tivesse sido esperto não teria morrido na cruz.

O bobo é sempre tão simpático que há espertos que se fazem passar por bobos. Ser bobo é uma criatividade e, como toda criação, é difícil. Por isso é que os espertos não conseguem passar por bobos. Os espertos ganham dos outros. Em compensação os bobos ganham a vida. Bem-aventurados os bobos porque sabem sem que ninguém desconfie. Aliás, não se importam que saibam que eles sabem.

Há lugares que facilitam mais as pessoas serem bobas (não confundir bobo com burro, com tolo, com fútil). Minas Gerais, por exemplo, facilita ser bobo. Ah, quantos perdem por não nascer em Minas!

Bobo é Chagall, que põe vaca no espaço, voando por cima das casas. É quase impossível evitar o excesso de amor que o bobo provoca. É que só o bobo é capaz de excesso de amor. E só o amor faz o bobo.


Despedida
Mia Couto

Aves marinhas soltaram-se dos teus dedos
Quando anunciaste a despedida
E eu que habitara lugares secretos
E me embriagara com teus gestos
Recolhi as palavras vagabundas
Como a tempestade que engole os barcos
Porque ama os pescadores
Impossível separarmo-nos
Agora que gravaste o teu sabor
Sobre o súbito
O infinito parto do tempo

Por isso te toco
No grão e na erva
E na poeira da luz clara
A minha mão
Reconhece a tua face de sal

E quando o mundo suspira
Exausto
E desfila entre mercados e ruas
Eu escuto sempre a voz que é tua
E que dos teus lábios se desprende e se recolhe

Ali onde se embriagam
Os corpos dos amantes
O teu ventre aceitou a gota inicial
E um novo habitante
Enroscou-se no segredo da tua carne

Nesse lugar
Encostamos nossos lábios
À funda circulação do sangue
Porque me amavas
Eu acreditava ser todos os homens
Comandar o sentido das coisas
Afogar poentes
Despertar séculos à frente
E desenterrar o céu
Para com ele cobrir
Os teus seios de neve.


terça-feira, 22 de julho de 2008

90

Grande avô, pai, amigo, mestre, líder. Coração do tamanho do mundo. Tem tiradas inocentes, piadas inocentes, que conseguem arrancar sorrisos largos. Quando ele fala para aconselhar, ouvir não é apenas questão de respeito, mas de inteligência, a calma e a clareza com que ele fala é incrível. E como é bom ouvir suas histórias – e que belo contador de histórias –, as de Paracambi quando era menino, das noites que farreou, noites em que ia comemorar o título da torcida adversária (ele teve as manhas de ir ao estádio torcer pro Vasco, o Vasco perde pro Flamengo e ele foi beber o título do Flamengo lá na Gávea), das coisas que ele fez quando trabalhava, do importante mecânico de calculadoras que foi (sim, calculadoras já tiveram engrenagens e molas e mais um monte de trecos mecânicos). Jovem mecânico que deixou de ir aos EUA no tempo de guerra por amor, porque preferiu casar. As histórias que mais gosto são das aventuras dele em seu serviço, mas não tem como não ser a mais bonita a história de como ele conheceu dona Madá... e essa é uma linda história, que começou lá no final da década de 30, começo da de 40 e parece que não terá fim. Eu fico admirado em ver como meu avô respeita e conserva a memória de minha avó.

Ele é do tipo que todo mundo tem que conhecer antes de morrer.

Professor que me ensinou a arte de viver pelo outro, só tenho a agradecer por Deus ter te colocado em minha vida. Parabéns, seu avô! 90 anos mais que muito bem vividos. E pelo visto, nada de 90 do segundo tempo, parece que teremos mesmo é prorrogação! =)


Abaixo a música que ele dedicou à dona Madá!



Eu disse que não postaria nada antes de quarta, mas esse tinha que ser postado com urgência! Aliás, era pra ontem! hahahahaha

quarta-feira, 9 de julho de 2008

De Corfu*



Ah Muleque! A jornada européia começou muito bem. Na ilha de Corfu, Grécia (lugar feinho, né? quem puder depois dá uma procurada no Google Imagens, essa foi a primeira que apareceu, mas só tem lugar bonito lá), o Netão já faturou um título.

Vai pra cima, Muleque! Parabéns!

* O nome correto da ilha grega é Corfu

2 de julho de 2008

Uma quarta-feira normal, um aniversário pra ir, mas sem grandes pretensões. Mas a noite de 2 de julho de 2008 reserva alguns segredos que seriam revelados. Janaina é nome dela. Uma moça bonita, simpática, sendo assim, era impossível logo de cara saber que ela era irmã do Bira. Logo o assunto passou a ser esse cara 'genial' (biristicamente falando) e a moça logo de forma consternada e emocionada começou a falar dos maus tratos que dava a seu irmão mais velho.

Janaina conta que forçou a barra para que seu irmão virasse sãopaulino. Ameaçava a criança Bira de proibi-lo de brincar com as barbies, caso ele não torcesse pro time do Vale dos Cervídeos. O garoto Bira, que já demonstrava gosto pela arte dos grandes cabeleireiros, cedeu pela primeira vez, pois praticava cortes nas bonecas da irmã, o que lhe rendeu no futuro um trabalho no Jacques Janine.

Abaixo, veja o vídeo onde Janaina, a irmã do Bira, faz essas declarações de forma emocionada. A besta da voz que está mais clara no vídeo diz que este já estaria no YouTube no dia 3, mas, devido aos problemas técnicos apresentados pela nossa querida Telefônica, não foi possível postar antes. Será que o Bira tem algo a ver com esse incidente? Mas tá aí, mais um trabalho jornalístico sério, isento e imparcial!

terça-feira, 8 de julho de 2008

Não sou fã do sensacionalismo. Acho que, da vida de cada um, cada um que cuide. A não ser que seja alopração com os amigos (veja o post acima). Não gosto muito daqueles especiais que falam sobre artistas, atletas, outros tipos de personalidades... Mas tem casos que abro exceção. A história do Narciso (ex-jogador do Santos) é realmente muito legal. O cara tinha menos de 50% de chances de sobreviver, mas batalhou com a certeza de quem iria superar. O Santos deu todo apoio ao jogador, prorrogou seu contrato e quase que ele voltou a jogar. Acho que foi uma das únicas coisas admiráveis que essa diretoria fez. Agora ele tá aí com a mulecada da base! Espero que ele se dê muito bem e que os jogadores do elenco profissional do Santos se inspirem na história dele.

Boa, Narciso!

domingo, 6 de julho de 2008

Nem a AD explica - Capítulo II: A saga das (a)versões tupiniquins



Se liguem no estilo Mario Bros. do tiozinho!



Versão espanhola...

E no Brasil..........



Abaixo o clipe original da versão tupiniquim comentado no programa 'Os piores cilpes do mundo', muito bom!

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Vai pra cima, Muleque!



Ele é mais inteligente que eu, mais esperto, devo confessar que é mais bonito também. Só que é mais preguiçoso também... hahahaha...

O muleque é foda mesmo e agora vai pra Europa mostrar pra gringaiada como é que se joga bola! Nem ele (nem eu) tá imaginando que isso vai render um contrato milionário pra ele, até porque os campeonatos que ele jogará não têm essa finalidade. Mas será uma oportunidade única de ir pra Europa, com 15 anos, com um monte de amigos. É pra se divertir mesmo e amadurecer também!

Vai com Deus, meu irmão! Arrebenta! E se cuida com as européias! hohohoho...

Nota: uns vão, outras pessoas voltam... e num mesmo porto! Esse é o legal da vida!

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Uma amiga, que anda acreditando que tem um olhar triste, mandou um texto falando sobre o amor (o texto está disponível apenas pra assinantes da Folha ou do Uol, não achei ele em outro lugar e não queria colocá-lo inteiro no corpo do post). O amor é sempre um assunto em pauta. Oras, o que seria da nossa vida sem ele, não é?! Só pra ter uma idéia, fui com bons amigos ao Museu da Língua Portuguesa, nesse domingo, e na Estação da Luz estava tendo uma exposição de cultura japonesa. Lá tem uma árvore de uma antiga lenda japonesa, que diz que os pedidos pendurados na árvore se realizam na época da festa dessa lenda. Para cada tipo de pedido, tem uma cor de papel. Vermelho e rosa são as cores para paixão e amor. Nem precisava dizer que o meio da árvore tava repleto dessas cores e que não tinha mais nenhum cartão rosa ou vermelho. Aliás, exposição que rendeu um vídeo sensacional... agora não sei torno alguém a mais nova celebridade do Youtube. hohohoho... né, Cla?! hohohoho... Aliás, ótimo dia ontem! Eu estava certo em postar a música 'Vinte e nove' do Legião (foi meu primeiro post programado! mala, hein?! hahaha). Ontem foi um momento de deixar velhos fantasmas, resolver certas pendências com a pessoa que mais amo nesse mundo, e fiz tudo isso com apoio de amigos. O que melhora tudo nessa vida.

Mas voltando ao texto (puxa vida, acho que é a primeira vez que vou postar algo com uma digressão tão grande), ele foi escrito por um dos colunistas da Folha e quer falar sobre o amor, um amor talvez egoísta, um amor que é mais pelo prazer do dizer 'eu te amo'. Eu pensei bastante sobre o que o cara quis dizer e pensei: seria esse o amor egoísta? Contardo Calligaris diz que as pessoas amam mais o ato de dizer "eu te amo" do que a pessoa que recebe essa declaração. Ele fala sobre todo o exagero que acontece em certas declarações e diz preferir um amor que é dito e demonstrado por atitudes, mais silencioso, por acreditar que esse tipo ser muito mais presente e sentido.

Certo, entendo o que ele quer dizer. Acho realmente que as pessoas não têm mais muita noção do ato de se declarar. A Lia disse tudo o que eu quis dizer com a outra música que postei do Legião um pouco mais abaixo. 'Vamos fazer um filme' é uma das músicas que mais gosto e penso sempre em meus amigos e amores, quando a ouço. (Aliás, pretendo fazer um filminho com fotos de toda turma quando terminar a graduação). A música contém uma pergunta que eu penso muito e que vem de encontro com a questão levantada pelo texto: como que se diz eu te amo? Gritando? Silenciosamente? Com flores? Se afastando? Com carinho? Com beijos? Com sexo? Pedindo em casamento de joelhos em um lugar especial? Dizendo o quanto gostaria de fazer a outra pessoa feliz? 'Vamos ficar aí e dar uns pegas, gatinha'? Não dá pra saber... e nem sei se é pra se saber. Acho que cada um tem seu jeito de amar.

O fato é que, pra mim, independentemente de como for, o grande prazer de amar está em fazer o outro feliz, ver o outro bem e mostrar como esse amor é importante, como você acha bom senti-lo. Acho que se isso for feito por um megafone ou por simples gestos do dia-a-dia, o peso é o mesmo. Surpresas, atos inesperados... podem ser legais ao não, dependerá do estilo do casal. Dependerá de quem faz e de quem recebe. Dependerá do que cada um sente pelo outro e dependerá muito pouco do ato em si.

Gosto de dizer "eu te amo", quando amo. Quem não gosta? Escrever cartas, cartões... Expressar o quanto se gosta da outra pessoa. Através dos meios eletrônicos as pessoas fazem muito isso, no orkut colocam a foto com o outro no perfil, escrevem um texto no blog, um nick no msn. Por que não? Principalmente, início de namoro que é bem meloso! hahahaha... Mas não vejo esses atos como sendo excluídores dos atos silenciosos que o Calligaris diz, isso não faz com que a gente não possa sair pra conversar só com a pessoa, fique para ouvi-la quando ela precisa desabafar, sai por sair só pra estarem juntos, um carinho, um filme juntos, fazer um esforço a mais pra ajudar a outra pessoa numa tarefa mais complicada, se ajudarem nas tarefas comuns do dia-a-dia...

Enfim... acho complicado eleger um estilo bom de amar... parece coisa do... cof... cof... do Paulo Coelho com aceitação acadêmica. Cada um tem seu estilo, uns mais exagerados, outros mais contidos, mas não pra dizer por aí que se ama mais ou menos.

O que acho legal no ato de amar é o prazer que sentimos ao fazer o outro feliz. O estilo tá mais ligado a personalidade cada um. Posso dizer que eu tenho um estilo diferente daquilo que o texto propõe como um amor mais verdadeiro, mas não sinto menos verdade no que eu sinto, nem mesmo menos intensidade. Acho só que é diferente...

______________________________


E esse texto que começou como normalmente boas conversas entre amigos começam, com várias digressões, tem que terminar como elas terminam também... sem uma conclusão de fato, principalmente quando conversamos sobre assuntos mais densos...
To bem ligado às boas conversas que tive ultimamente.

domingo, 29 de junho de 2008

29...



Perdi vinte em vinte e nove amizades
Por conta de uma pedra em minhas mãos
Me embriaguei morrendo vinte e nove vezes
Estou aprendendo a viver sem você
Já que você não me quer mais

Passei vinte e nove meses num navio
E vinte e nove dias na prisão
E aos vinte e nove com o retorno de Saturno
Decidi começar a viver

Quando você deixou de me amar
Aprendi a perdoar
E a pedir perdão

E vinte e nove anjos me saudaram
E tive vinte e nove amigos outra vez

Vinte E Nove
Legião Urbana
Composição: Renato Russo

quinta-feira, 26 de junho de 2008

quarta-feira, 25 de junho de 2008

sexta-feira, 20 de junho de 2008



Hoje não dá
Hoje não dá
Não sei mais o que dizer
E nem o que pensar

Hoje não dá
Hoje não dá
A maldade humana agora não tem nome
Hoje não dá

Pegue duas medidas de estupidez
Junte trinta e quatro partes de mentira
Coloque tudo numa forma
Untada previamente
Com promessas não cumpridas

Adicione a seguir o ódio e a inveja
As dez colheres cheias de burrice
Mexa tudo e misture bem
E não se esqueça antes de levar ao forno
Temperar com essência de espírito de porco
Duas xícaras de indiferença
E um tablete e meio de preguiça

Hoje não dá
Hoje não dá
Está um dia tão bonito lá fora
E eu quero brincar

Mas hoje não dá
Hoje não dá
Vou consertar a minha asa quebrada
E descansar

Gostaria de não saber destes crimes atrozes
É todo dia agora e o que vamos fazer?
Quero voar pra bem longe mas hoje não dá
Não sei o que pensar e nem o que dizer
Só nos sobrou do amor
A falta que ficou

Os Anjos
Legião Urbana
Composição: Renato Russo


Nota: gosto mais da versão do show "Como é que se diz eu te amo" de 94, no Rio de Janeiro, mas não tinha aqui. Vou ver depois coloco essa.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Hoje ela faria 24 anos. Ela também era de 84, assim como eu. Engraçado... muita gente quando morre recebe meio uma aura de santidade, de bondade, de que fez um monte de coisa boa. Até quando o ACM morreu foi assim. As matérias em Folha, Globo, Estadão, todas elas pareciam tratar da morte de um herói brasileiro. Mas no caso dela não seria exagero algum, nem demagogia.

Não posso falar de como era ela ultimamente, não convivíamos tanto. Sei que ela trabalhava bastante e ajudava muito em casa, tanto financeiramente, quanto com apoio à irmã mais nova. Eu posso falar mais dela quando éramos crianças, pois foi quando ficamos amigos. Eu a conheci no pré e sempre sentávamos mais na frente, confesso que era nerd desde criança. Ela também era e ia melhor do que eu na escola. Aliás, além de amigos, éramos rivais, mesmo que de forma velada, sempre havia uma certa disputa pela maior nota nas matérias. Mas a rivalidade nunca atrapalhou as brincadeiras e a nossa amizade. Na volta ao prédio – morávamos no mesmo condomínio –, sempre tinha os jogos que participávamos juntos, nós e todas as outras crianças.

Lembro que na 4ª série, ela, um outro amigo e eu terminávamos as lições rapidinho e ficávamos fazendo qualquer outra coisa. Até meditação, vê se pode?! Pra falar a verdade, ficávamos conversando mesmo, o que não sei por que chateava a professora, mas que acabava não brigando com a gente, pois sempre íamos muito bem. Na quinta série, ela foi pra manhã e eu continuei no período da tarde. Continuávamos a nos encontrar apenas nas brincadeiras no prédio. E fomos, aos poucos, nos vendo cada vez menos, entrei pro SENAI e ela se dedicou muito aos estudos pra passar em um bom vestibular. Ela acabou não entrando na USP por opção, pois era muito melhor aluna do que eu. Apostou no que diziam na época (talvez até hoje), que o curso de Turismo era bem melhor na Anhembi.

Nem preciso dizer que ela se formou muito antes de mim. Ela estava trabalhando na TAM, começou como atendente de Call Center e já esta como supervisora de um departamento. Naquele dia, ela estava no prédio de cargas da TAM participando de uma reunião, mas ela não trabalhava ali. Naquela hora, já era pra ter terminado a reunião e ela pediu ao pai que passasse antes no mercado, pois a reunião tinha atrasado um pouco. Ela não tava andando de avião, não tava atravessando a rua de forma distraída, não tinha nenhuma doença, mas o momento dela tinha chegado. Não dá pra crer em apenas sorte, azar, há muito mais que coincidências em tudo que aconteceu naquele dia. E, pra quem crê que há muito mais que coincidências nas coisas da vida, fica muito complicado entender por que justo ela. Mas talvez seja isso mesmo, talvez não seja pra compreendermos muito agora, não... tem coisa que é assim. Talvez seja pra aprendermos alguma coisa, talvez...

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Fará imensa falta

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Que dias há que na alma me tem posto
um não sei quê, que nasce não sei onde,
vem não sei como e dói não sei porquê.

Camões


Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo.
E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.

Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.
Todo eu sou qualquer força que me abandona.

Alberto Caeiro


- E eu só agüento tudo isso porque sei que você está aqui... do meu lado.
- É, Nego... não é uma mortezinha qualquer que nos separa.

dos Melhores


PS.: apesar de ser uma data puramente comercial, tem que ser comemorada. Mas como não vou passar isso a ninguém, fica de dica aí pra quem tá pensando numa mensagem ou no amor simplesmente! =D

segunda-feira, 9 de junho de 2008

E é dia da língua portuguesa

É... hoje é dia dela. Vejam só. 9 de junho, pertinho do dia dos namorados, nós comemoramos o dia da língua portuguesa. Porém, esse 9 de junho não está sendo como os outros foram. Disseram no início do ano que a língua portuguesa sofrerá mudanças em sua ortografia. Todos os países que falam língua portuguesa usarão a mesma ortografia e gramática. Então, esse é o primeiro da língua portuguesa com as mudanças vigentes.

Eu fico pensando aqui que tipo de desocupado pensou em unificar a ortografia. Pois, sinceramente falando, é uma idéia mais que imbecil. Esse projeto existe desde 91 e só beneficia editores e gramáticos. Culturalmente falando isso é uma porcaria, pois é pensar que falamos o mesmo português aqui, em Portugal e na meia dúzia de países africanos que foram colônia lusa. Se quisessem pensar em alterações aqui pro Brasil, penso que seria apenas uma questão de atualizar, mas jogar num balaio só é ridículo.

As diferenças culturais são gritantes e devem permanecer assim. Cada povo com sua maneira, Portugal e sua população estão certos em lutar contra isso, pois é ridículo termos que reaprender ortografia nessa altura do campeonato. Sinceramente, eu não me interesso nenhum pouco e não vejo nenhuma vantagem em saber que o jeito que eu grafo as palavras aqui será igual em Cabo Verde, Moçambique, Angola, Lisboa ou em qualquer outro lugar que se fale a língua portuguesa. A graça em ler os romances africanos, em parte, está em ver as diferentes maneiras de utilização do português. Qual interesse em acabar com isso? Só pra editores mesmo. Editores que querem baratear o custo das obras e tentar exportar mais. Só a eles e a gramáticos. Imagina que um cidadão de Ruanda tem que se expressar numa norma gramatical igual a nossa. Isso é loucura.

Mas enfim... tá feito. Mas fica aqui meu protesto contra aqueles que não conseguem ainda ver que a língua é um processo social e insistem em uniformizá-la.

sábado, 7 de junho de 2008

Nem a AD explica!



I know I stand in line,
until you think you have the time
to spend an evening with me

And if we go some place to dance
I know that there's a chance
you won't be leaving with me

And afterwards we drop into a quiet little place
and have a drink or two
And then I go and spoil it all
by saying something stupid
like :"I love you"

I can see it in your eyes
that you still despise the same old lines
you heard the night before

And though it's just a line to you
for me it's true
it never seemed so right before

I practice everyday
to find some clever lines to say
to make the meaning come true

But then I think I'll wait
until the evening gets late
and I'm alone with you

The time is right
your perfume fills my head
the stars get red
and oh, the night's so blue

And then I go and spoil it all
by saying something stupid
like: "I love you"

The time is right
your perfume fills my head
the stars get red
and oh, the night's so blue

And then I go and spoil it all
by saying something stupid
like: "I love you"

Something Stupid
Frank e Nancy Sinatra
Composição: C. Carson Parks




Existe um amor dentro de mim
Que eu não posso nem mais controlar
Se olho prá você e vejo o seu jeitinho
De sorrir e de falar
É algo tão estranho
Que eu mesmo não consigo mais compreender
Uma coisinha estúpida
Que eu gosto de sentir
Que é amar você

Espero, amorzinho
Que o meu carinho por você não seja em vão
Entrego de presente minha vida
Meu destino e meu coração

Coisinha estúpida (Something Stupid)
Leno
Composição: C. Carson Parks
Versão: Gileno

domingo, 1 de junho de 2008

Só um pouquinho de humor negro


É de minha natureza... e nesse período de minha vida, não posso deixar escapar isso. A música tá ali do lado, pra quem quiser ouvir. É dá hora!

Chatterton, suicidou
Kurt Cobain, suicidou
Vargas, suicidou
Nietzsche, enloqueceu
E eu, não vou nada bem

Chatterton, suicidou
Cléopatra, suicidou
Isocrates, suicidou
Goya, enloqueceu
E eu, não vou nada nada bem

Chatterton, suicidou
Marc-Antoine, suicidou
Van Gogh, suicidou
Schumann, enloqueceu
E eu puta que pariu não vou nada bem...

Chatterton
Seu Jorge


A foto é de um filme chamado "À beira da loucura"

Sobre quem somos

Tava conversando com uma amiga, que admiro muito, por esses dias. E falamos como é ruim ser traído. Ela falou tão bem... é feio, é sujo... é tão difícil de lidar. Mas penso que nessas horas é que mostramos quem somos, qual é nossa fibra e qual é nossa moral. Porque podemos seguir caminhos de vingança e nos igualar ou darmos a volta por cima, confiar que nossas atitudes e nosso trabalho nos levarão a um caminho melhor. E isso nos levará a saber se temos que insistir em certas coisas ou nos afastar de vez delas.

E se confiarmos, se seguirmos aquilo que nossa intuição mostra que é o melhor caminho, o melhor virá. E virá pra ela.

Vou postar uma música que não tem muito a ver com o caso em específico, mas tem a ver com uma geral.

Só de sacangem

Meu coração está aos pulos!

Quantas vezes minha esperança será posta à prova?

Por quantas provas terá ela que passar?

Tudo isso que está aí no ar, malas, cuecas que voam

entupidas de dinheiro, do meu dinheiro, que reservo

duramente para educar os meninos mais pobres que eu,

para cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus

pais, esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e

eu não posso mais.

Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança

vai ser posta à prova? Quantas vezes minha esperança

vai esperar no cais?

É certo que tempos difíceis existem para aperfeiçoar o

aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus

brasileiros venha quebrar no nosso nariz.

Meu coração está no escuro, a luz é simples, regada ao

conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e

dos justos que os precederam: "Não roubarás", "Devolva

o lápis do coleguinha",

"Esse apontador não é seu, minha filhinha".

Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido

que escutar.

Até habeas corpus preventivo, coisa da qual nunca

tinha visto falar e sobre a qual minha pobre lógica

ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao

culpado interessará.

Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do

meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear:

mais honesto ainda vou ficar.

Só de sacanagem!

Dirão: "Deixa de ser bobo, desde Cabral que aqui todo

o mundo rouba" e eu vou dizer: Não importa, será esse

o meu carnaval, vou confiar mais e outra vez. Eu, meu

irmão, meu filho e meus amigos, vamos pagar limpo a

quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês.

Com o tempo a gente consegue ser livre, ético e o

escambau.

Dirão: "É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, desde

o primeiro homem que veio de Portugal".

Eu direi: Não admito, minha esperança é imortal.

Eu repito, ouviram? IMORTAL!

Sei que não dá para mudar o começo mas, se a gente

quiser, vai dá para mudar o final!


terça-feira, 20 de maio de 2008

Mentir é o pior caminho

Quando você mente, você tem que ser um bom mentiroso e conseguir levar a sério a sua própria mentira. Assim, você pelo menos consegue ser um pouco convincente. Pois não adianta, quando você tenta inventar uma história, tenta esconder algo, os indícios que aparecem pra trazer a verdade são inúmeros. E nós, quando estamos mentindo, muitas vezes não conseguimos ver esses indícios e vamos embora com nossas historinhas pra boi dormir, achando que todo mundo é otário.

É... quando a gente mente, a gente diz pro mundo: otários! Quando a gente quer enganar, tá dizendo que as pessoas possuem uma inteligência menor que a nossa. Julga o resto de burros mesmo. Achamos que somos mais espertos que todos. E uma mentira é um caminho sem volta ou quase sem volta. Pois falar que mentiu é pra poucos. Chegar e dizer a verdade, sem ser descoberto, é pra muito poucos. Quando uma raridade dessas acontece, é possível até que haja uma consideração pela pessoa que mentiu. No entanto, isso é quase improvável que ocorra. As pessoas só falam que estão escondendo algo quando são pressionadas a dizerem a verdade ou quando a mentira já não se sustenta mais. Isso quando falam! Tem gente ainda que, mesmo assim, chama os outros de louco e diz que não tá mentindo, não.

A pessoa que mente assim mente porque tem medo de algo, possui medo da verdade, medo das conseqüências que a verdade pode trazer. A verdade por vezes pode fazer com que as pessoas venham a perder algumas coisas, mas a verdade só fará com que as pessoas ganhem respeito. E isso, pelo menos pra mim, é o que vale!

Agora... perdem totalmente o respeito, pessoas como esse aí: http://www2.virgula.com.br/virgulando/interna.php?ID=53020

Tudo bem, a fonte é uma porcaria. Mas seria de se estranhar se tivesse uma notícia dele saindo com prostitutas de um motel. Certo? De boa, ele seria muito mais respeitado se falasse a verdade, ao invés de ficar aí mentindo, achando que todo mundo é tonto.

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Os recados foram e estão sendo dados...



Ciclone em Mianmar: o número de mortos pode chegar a 100 mil.





Tornado em Oklahoma e Temporais no nordeste dos EUA: muitos desabrigados e mal começou a temporada de Furações e Tornados.




Chaitén, no Chile: além de estar sofrendo com a atividade do vulcão homônimo ao vilarejo, uma tempestade transbordou o rio Blanco, inundando o local. A população já tinha sido levada para abrigos por conta do risco que o vulcão apresentava.




Terremoto na China: 7,8 graus na escala Richter e o número de mortos sobe para 15 mil.




A fome aumenta a cada dia. Os países da África e da Ásia sofrem mais, pois possuem populações enormes e quase nada de recursos. A água só é encontrada de maneira abundante mesmo aqui na América, logo as outras partes do mundo sofrerão ainda mais com a falta de água.

Os sinais estão sendo bem claros. Aliás, sempre foram. Só que agora estão gritando e mesmo assim a grande massa não se mexe para ter hábitos que melhorem a saúde de nosso planeta. Uma pessoa consegue ser inteligente, consegue reciclar seu lixo, evitar desperdícios de energia e água, consumir apenas o necessário. Mas a massa não é inteligente e segue correndo em bando atrás de consumos cada vez mais desnecessários, não se importando com o que poderá vir depois.

Mesmo que todo mundo comece a ajudar na manutenção do planeta, acredito que já é tarde demais e que muita gente ainda vai morrer nos desastres naturais que seguirão. O planeta possui um equilíbrio complexo e delicado, e o homem não alterou apenas delicadamente esse equilíbrio, alterou de forma drástica. O planeta agora só está tentando recuperar esse equilíbrio, como qualquer organismo vivo, ele apresentará sintomas violentos até conseguir colocar aquilo que coloca sua vida em perigo fora de combate. E hoje é o ser humano que está colocando a vida do planeta em perigo.

Monte Kilimanjaro - a primeira foto é de 1993, a segunda de 2000, na mesma época do ano. Redução significativa de neve do ponto africano mais alto.

terça-feira, 13 de maio de 2008

120 anos da abolição da escravatura?


Acho que não...

- E aí?
- ...
- Me diz o que você tem?
- ...?
- Eu estou preocupado com você...
- Você quer realmente saber?
- Claro.
- Mesmo sabendo que nada poderá fazer pra me ajudar?
- Mesmo assim, me diga.
- Eu estou apaixonado.
- Apaixonado?! – sorri levemente.
- Sim. Eu estou apaixonado e muito!
- Nossa... estou aliviado. Pensei que era algo pior.
- Pior que a angústia de estar apaixonado?!
- É... é uma complicação muito grande.
- Eu não entendo... não sei o que fazer...
- Eu também não entendo. Mas acredito que o amor é um não saber, é ter que ter fé no outro. É também entender que não há ninguém que se encaixará perfeitamente em nossa vida, por mais perfeito que tudo possa parecer ser ou por mais que a gente queira que seja perfeito...
- Mas eu não sei se sou mais eu mesmo. Eu não consigo fazer meus pensamentos fugirem dela.
- Você pode ser você, seja você, pois se você fingir ser outro, ela pode se apaixonar pela pessoa errada. E amar é tentar esquecer e não conseguir. A pessoa amada sempre povoa nosso pensamento a todo instante. E entendo a sua agonia, porque se o amor é correspondido, a pessoa aparece como alguém que nos ajuda a resolver os problemas; quando não é, aparece meio que pra atormentar, pois gostaríamos de fazer planos com ela e isso não é possível.
- É... e se declarar não é tão fácil e acho que ela não gosta de mim, não pelo menos do jeito que eu gosto dela. Ela já me mostrou isso algumas vezes. O que eu vou fazer?
- Ah... te entendo, mas eu também não sei.
- Você já me disse que o amor é a melhor coisa que podemos ter. Com isso que você disse agora, você ainda acha que amar é mesmo tudo?
- Pior que sim. – sorri.
- E se isso que eu to sentindo não é amor, o que mais pode ser!?
- Não sei... estou aprendendo também...

segunda-feira, 12 de maio de 2008

300

Pra fazer o maior estacionamento precisamos dos seguintes itens:

- Uma engenharia de tráfego porcaria, que só serve pra colocar agentes nas ruas pra multar, ao invés de organizar e orientar o trânsito.
- Um sistema de transporte público esfarrapado. Ônibus e trens que rodam em baixa velocidade, em baixa quantidade e com enorme número de passageiros.
- Falta de educação no trânsito: motoristas que não respeitam nem as leis básicas como a de dar seta ao mudar de faixa ou a de não fechar um cruzamento; passageiros de ônibus que ficam na porta do carro, dificultando a entrada de novos passageiros e gerando trânsito no corredor ou passageiros que seguram ônibus que não possuem mais espaço para entrar, mas ficam assim mesmo empatando a partida do coletivo (esse segundo tipo também é comum em trens e metrôs).
- Investimentos irrisórios tanto pra melhoria do transporte público quanto da malha viária. Os políticos pouco se importam com o trânsito, eles vão de helicóptero.
- Uma taxa de juros "camarada"! que possibilita a uma boa parte da população realizar o sonho do carro zero. Com todos esses problemas, quem que tem carro vai querer encarar o caos do transporte público?
- Também tem que ter uma dose boa de egoísmo. Com a alta velocidade de nossa vida, não paramos pra pensar que um vizinho nosso possa ir praticamente pro mesmo lugar que nós todos os dias. Daí saem dois carros do mesmo lugar, partindo prum destino em comum, com apenas duas pessoas. Uma vez tive as manhas de ficar contando quantas pessoas tinha em cada carro na Nove de Julho. A média foi de 13 pessoas para cada 10 carros. Mas que bobagem que eu falei, não é? As pessoas saem, às vezes, da mesma casa para destinos próximos com dois carros. Como é que vão ver essa possibilidade com um vizinho?! Ignorem essa parte, foi de pura burrice do blogueiro.
- Por fim, um tempero especial: uma chuva ou algum acidente nas marginais!

Voilà! 09 de maio de 2008, 267 km de trânsito lento na cidade de São Paulo! Um recorde impressionante. Nesses tempos de Olimpíadas, diria que essa marca mais que garantiria uma vaga pra Sampa em Pequim, caso trânsito fosse um esporte.

Parabéns pra você! Parabéns pra mim! Parabéns a todos brasileiros (não poderia deixar os créditos apenas aos paulistanos) que colaboramos para alcançar essa marca histórica. Agora com a derrubada do antigo recorde (246 km em 1996), a meta é chegar à próxima centena. Rumo aos 300 km!

domingo, 11 de maio de 2008

Me desculpem o termo, mas ela é foda!

Eu não acho que exista nesse mundo alguém perfeito, uma pessoa que faça tudo sempre certo. Mas há sempre uma pessoa que você depois que a percebe na sua vida, não consegue imaginar o mundo sem ela. Pois ela pode até não ser perfeita, mas nos ama de forma tão intensa que nós não conseguimos achar defeitos nessa pessoa. O que falar de alguém que nos apóia em tudo o que fazemos, que reconhece nosso esforço sempre? Que chora ao ver a gente vencendo? Que nos abraça quando estamos sentindo um vazio dentro de nós? E seu abraço é como o calor que chega depois dias frios, nos reanima. O que falar de alguém que mesmo passando por problemas, ainda consegue colocar os nossos como prioridade também? O que dizer pra alguém que se emocionou tanto quando eu fui lá e só disse a verdade, que se eu cheguei a me formar e sou quem sou, é por culpa quase que exclusiva dela? Falar o que pra quem tava triste, mas mesmo assim me mostrou que não preciso bancar o forte e que eu preciso de ajuda também, quando ela é que precisava de ajuda?

Só posso dizer: Mãe, te amo e obrigado por ser minha mãe.

Feliz dia das mães!

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Inusitada

Capivaras na saída da CPTM da Cidade Universitária

Só uma cena inusitada como essa pra gente rir num dia que aparentemente deu tudo errado! Ainda bem que não tive tempo pra jogar na mega-sena, pois era capaz de todos os número que eu jogasse saírem ao contrário!

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Pensamento inacabado...

Eu sei o que falo sobre o sofrimento, que é preciso. Sim, é preciso. Mas de maneira nenhuma acredito que devemos procurar o sofrimento. Essa auto-tortura não nos leva a um amadurecimento. Se penalizar, procurar um castigo ou caminho por onde só existirá dor não levará ninguém a se superar, fora que parece de certa forma uma falta de inteligência. Acredito que já temos problemas demais para ficarmos procurando mais para nossa cabeça e se sabemos que uma determinada decisão nossa só levará a tristeza e a um definhamento de nós mesmos, o mínimo que podemos fazer é aceitar que esse não é um bom caminho e procurarmos por outros. Caso contrário, buscar algo que de alguma forma só nos faz destruir, podemos considerar uma atitude igual ao de quem usa drogas.

Qualquer tipo de relação vive de confiança, respeito e reciprocidade. A confiança é essencial, a lealdade. Às vezes ouço a palavra cumplicidade para simbolizar isso, mas eu gosto mais da palavra companheirismo, acho que ela carrega sentidos melhores. O respeito é fundamental, não há como ficar perto de alguém que você não respeita ou que não te respeita, pois isso fatalmente irá magoar uma das partes pelo menos. E a reciprocidade é o que dará sentido à relação.

Quando um desses pilares de uma relação é derrubado, é muito difícil recolocá-lo no lugar. Mas não é impossível. Acredito que o pilar que dita isso, essa força de uma relação, é o da reciprocidade. Numa relação de amantes, o amor é quem está nesse pilar. Se houver muito amor, talvez haja perdão para que um dos outros pilares seja colocado no lugar novamente. Claro que não será a mesma coisa. Mas quando o pilar da reciprocidade é derrubado, nenhum dos outros ficará de pé. E não tem como nenhum voltar para o lugar. Quando faltar o amor numa relação assim, estará tudo acabado. A tentativa de manutenção desse relacionamento só trará dor, sofrimento, desgaste. Ambos ficarão doentes e pouco conseguirão caminhar para alcançar objetivos maiores. Um será como uma bola de ferro no pé do outro e não crescerão. Ao contrário, se destruirão.

Sendo assim, manter tal relação é buscar um sofrimento eterno, é em parte cometer um suicídio, pois isso é ir se matando ao poucos. Mas mesmo para esse relacionamento ter fim decente e de verdade, um fim que permita que as duas partes caminhem livres, é preciso dizer a verdade, é preciso admitir os erros. Pois sem isso, por mais que as partes andem separadas não haverá um fim, haverá uma pendência, uma coisa mal resolvida. E se isso acontecer, onde antes havia uma relação amorosa, poderá aparecer uma relação de inimizade, onde só mais tristeza, dor e falta de respeito aparecerá. E isso não será bom pra ninguém.......
_______________________________

PS.: que meus amigos me perdoem por eu não escrever uma conclusão decente pra isso tudo o que eu disse, mas acredito que por enquanto eu não tenho a capacidade concluir algo mesmo.

quarta-feira, 30 de abril de 2008

...

Trabalho = Tortura?

A palavra trabalhar vem do latim tripiliare que significa torturar e trabalho de tripalium que significa antigo instrumento de tortura! Pra muitos, isso não é novidade, mas vale a pena sempre pensar nisso, principalmente no dia do trabalho, onde sindicato só pensa em fazer festinha de show com famosos.

É importante pensarmos nesse ritmo louco que estamos. Penso às vezes em vários amigos e em mim mesmo quando deixamos de sair porque precisamos ir trabalhar fora de horário ou na emenda de um feriado. Penso que quando eu vou dar aula todo sábado de manhã, eu estou ajudando a alguém ter uma melhor formação (não sei se consigo, mas pelo menos tento! hehehe); quando um médico é chamado às pressas de madrugada, é pra salvar uma vida. Mas quando corremos pra recuperar um servidor que está falhando, ou terminar um relatório de uma auditoria pra uma empresa que quer certificação da ISO 9000, penso... a quem estamos ajudando? Quem é que vai ser beneficiado com tudo isso? Concluo que isso só vai colaborar para um lucro maior de alguém que já tem bastante... Enfim... pensemos nesse feriado... e pra pensar, Nietzsche às vezes ajuda... hahahaha

No fundo, sente-se agora […] que um tal trabalho é a melhor polícia, que retém cada indivíduo pelo freio e que sabe impedir com firmeza o desenvolvimento da razão, do desejo e do prazer da independência. Pois faz despender enorme quantidade de energia nervosa, e subtrai essa energia à reflexão, à meditação, ao sonho, à inquietação, ao amor e ao ódio.
Friedrich Nietzsche
Os Apologistas do Trabalho, 1881.
____________________________

Ps.: agradeço a Professora Clarissa, professora de Artes da escola onde estou fazendo estágio, que me passou o texto. Depois vou ver se consigo postar o desenho que ela fez, é bem interessante.

terça-feira, 29 de abril de 2008

Sofrer é tão normal e necessário quanto tomar água

É melhor ser alegre que ser triste
Alegria é a melhor coisa que existe
É assim como a luz no coração

Mas pra fazer um samba com beleza
É preciso um bocado de tristeza
É preciso um bocado de tristeza
Senão, não se faz um samba não

Senão é como amar uma mulher só linda
E daí? Uma mulher tem que ter
Qualquer coisa além de beleza
Qualquer coisa de triste
Qualquer coisa que chora
Qualquer coisa que sente saudade
Um molejo de amor machucado
Uma beleza que vem da tristeza
De se saber mulher
Feita apenas para amar
Para sofrer pelo seu amor
E pra ser só perdão

Fazer samba não é contar piada
E quem faz samba assim não é de nada
O bom samba é uma forma de oração

Porque o samba é a tristeza que balança
E a tristeza tem sempre uma esperança
A tristeza tem sempre uma esperança
De um dia não ser mais triste não

Feito essa gente que anda por aí
Brincando com a vida
Cuidado, companheiro!
A vida é pra valer
E não se engane não, tem uma só
Duas mesmo que é bom
Ninguém vai me dizer que tem
Sem provar muito bem provado
Com certidão passada em cartório do céu
E assinado embaixo: Deus
E com firma reconhecida!
A vida não é brincadeira, amigo
A vida é arte do encontro
Embora haja tanto desencontro pela vida
Há sempre uma mulher à sua espera
Com os olhos cheios de carinho
E as mãos cheias de perdão
Ponha um pouco de amor na sua vida
Como no seu samba

Ponha um pouco de amor numa cadência
E vai ver que ninguém no mundo vence
A beleza que tem um samba, não

Trecho de Samba da Bênção
Composição: Vinicius de Moraes / Baden Powell

segunda-feira, 28 de abril de 2008

...


Uma homenagem às sogras


Frases de pára-choque de caminhão em homenagem às sogrinhas:

Sogra não é parente. É castigo.
Sogra boa é a que já morreu.
Feliz foi Adão, que não teve sogra, nem caminhão.
Deus fez a mãe, mas o Diabo inventou a sogra.
Não mando minha sogra para o inferno porque fico com pena do Diabo.
Quando sogra for dinheiro, pobre só casa com órfã.
Sogra por sogra, boa mesmo é a da minha mulher.
Duas coisas matam de repente: vento pelas costas e sogra pela frente.
Pior do que coice de burro só praga de sogra.
Corro, porque minha sogra vem aí.
Sogra é a segunda mãe, depois que morre.
Bígamo é o pecador que paga seus pecados porque tem duas sogras.
Morar com sogra é fazer vestibular para o céu.
Se sogra fosse coisa boa, Cristo não teria morrido solteiro.
Sogra e madastra, só o nome basta.

______________________________________

Só uma brincadeirinha e que nenhuma sogrinha minha fique chateada achando que eu penso assim mesmo.

28 de abril: dia da sogra

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Mar


A primeira vez que vi o mar eu não estava sozinho. Estava no meio de um bando enorme de meninos. Nós tínhamos viajado para ver o mar. No meio de nós havia apenas um menino que já o tinha visto. Ele nos contava que havia três espécies de mar: o mar mesmo, a maré, que é o menor que o mar, e a marola, que é menor que a maré. Logo a gente fazia idéia de um lago enorme e duas lagoas. Mas o menino explicava que não. O mar entrava pela maré e a maré entrava pela marola. A marola vinha e voltava. A maré enchia e vazava. O mar às vezes tinha espuma e às vezes não tinha. Isso perturbava ainda mais a imagem. Três lagoas mexendo, esvaziando e enchendo, com uns rios no meio, às vezes uma porção de espumas, tudo isso muito salgado, azul, com ventos.
Fomos ver o mar. Era de manhã, fazia sol. De repente houve um grito: o mar! Era qualquer coisa de largo, de inesperado. Estava bem verde perto da terra, e mais longe estava azul. Nós todos gritamos, numa gritaria infernal, e saímos correndo para o lado do mar. As ondas batiam nas pedras e jogam espuma que brilhava ao sol. Ondas grandes, cheias, explodiam com barulho. Ficamos ali parados, com a respiração apressada, vendo o mar...
Depois o mar entrou em minha infância e tomou conta de uma adolescência toda, com seu cheiro bom, os seus ventos, suas chuvas, seus peixes, seu barulho, sua grande e espantosa beleza. Um menino de calças curtas, pernas queimadas pelo sol, cabelos cheios de sal, chapéu de palha. Um menino que pescava e passava as horas e horas dentro da canoa, longe da terra, atrás de uma bobagem qualquer – como aquela caravela de franjas azuis que boiava e afundava e que, afinal, queimou a sua mão... Um rapaz de quatorze ou quinze anos que nas noites de lua cheia, quando a maré abaixa e descobre tudo e a praia é imensa, ia na praia sentar numa canoa, entrar numa roda, amar perdidamente, eternamente, alguém que passava pelo areal branco e dava boa-noite... Que andava longas horas pela praia infinita para catar conchas e búzios crespos e conversava com os pescadores que consertavam as redes. Um menino que levava na canoa um pedaço de pão e um livro e voltava sem estudar nada, com vontade de dizer uma porção de coisas que não sabia dizer – que ainda não sabia dizer.
Mar maior que a terra, mar do primeiro amor, mar dos pobres pescadores maratimbas, mar das cantigas do catambá, mar das festas, mar terrível daquela morte que nos assustou, mar das tempestades de repente, mar do alto e mar da praia, mar da praia e mar do mangue... A primeira vez que saí sozinho numa canoa parecia ter montado num cavalo bravo e bom, senti força e perigo, senti orgulho de embicar numa onda um segundo antes da arrebentação. A primeira vez que estive quase morrendo afogado, quando a água batia na minha cara e a corrente do “arrieiro” me puxava para fora, não gritei nem fiz gestos de socorro, lutei sozinho, cresci dentro de mim mesmo. Mar suave e oleoso lambendo o batelão. Mar dos peixes estranhos, mar virando a canoa, mar das pescarias noturnas de camarão para iscas. Mar diário e enorme, ocupando toda a vida, uma vida de bamboleio de canoa, de paciência, de força de sacrifício sem finalidade, de perigo sem sentido, de lirismo, de energia; grande e perigoso mar fabricando um homem...
Este homem esqueceu, grande mar, muita coisa que aprendeu contigo. Este homem tem andado por aí, ora aflito, ora chateado, dispersivo, fraco, sem paciência, mas corajoso e audacioso, incapaz de ficar parado e incapaz de fazer qualquer coisa, gastando-se como se gasta um cigarro. Este homem esqueceu muita coisa, mas há muita coisa que ele aprendeu contigo e não esqueceu, que ficou obscura e forte, dentro dele, no seu peito. Mar, este homem pode ser um mau filho, mas ele é teu filho, é um dos teus e ainda pode comparecer diante de ti gritando, sem glória, mas sem remorso, como naquela manhã em que ficamos parados, respirando depressa, perante grandes ondas que arrebentavam – um punhado de meninos vendo pela primeira vez o mar...

Mar
Julho, 1938
Rubem Braga

_________________________________


Ps.: agradecimento especial à Néia que me mandou essa crônica e outras.

...

domingo, 13 de abril de 2008


Faz muito tempo, mas eu me lembro... você implicava comigo
Mas hoje eu vejo que tanto tempo me deixou muito mais calmo
O meu comportamento egoísta, o seu temperamento difícil
Você me achava meio esquisito e eu te achava tão chata

Mas tudo que acontece na vida tem um momento e um destino
Viver é uma arte, é um ofício
Só que precisa cuidado
Prá perceber que olhar só prá dentro é o maior desperdício
O teu amor pode estar do seu lado
O amor é o calor que aquece a alma
O amor tem sabor prá quem bebe a sua água

Eu hoje mesmo quase não lembro que já estive sozinho
Que um dia eu seria seu marido, seu príncipe encantado
Ter filhos, nosso apartamento, fim de semana no sítio
Ir ao cinema todo domingo só com você do meu lado

Mas tudo que acontece na vida tem um momento e um destino
Viver é uma arte, é um ofício
Só que precisa cuidado
Prá perceber que olhar só prá dentro é o maior desperdício
O teu amor pode estar do seu lado
O amor é o calor que aquece a alma
O amor tem sabor prá quem bebe a sua água

Do seu lado
Nando Reis

sábado, 12 de abril de 2008


Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Camões

sexta-feira, 11 de abril de 2008


Se um dia nós se gostasse;
Se um dia nós se queresse;
Se nós dos se impariásse,
Se juntinho nós dois vivesse!
Se juntinho nós dois morasse
Se juntinho nós dois drumisse;
Se juntinho nós dois morresse!
Se pro céu nós assubisse?
Mas porém, se acontecesse
qui São Pêdo não abrisseas portas do céu e fosse,
te dizê quarqué toulíce?
E se eu me arriminasse
e tu cum insistisse,
prá qui eu me arrezorvesse
e a minha faca puxasse,
e o buxo do céu furasse?...
Tarvez qui nós dois ficasse
tarvez qui nós dois caísse
e o céu furado arriassee
as virge tôdas fugisse!!!

Ai! Se sêsse!...
Zé da Luz

quarta-feira, 9 de abril de 2008

Indignação?!

Dois casos recentes chamaram muito a atenção por toda indignação que elas geraram no público: o caso Mosley e o da menina Isabela. O chefão da F1 foi mostrado em uma orgia com cinco prostitutas e a brincadeira toda continha requintes sadomasoquistas e fantasias nazistas. O caso menina Isabela é mais conhecido de todos, ela foi encontrada no jardim do prédio onde seu pai mora e teria sido supostamente jogada da janela do quarto do apartamento.

Mosley simplesmente virou alguém não querido em qualquer lugar. Seu gosto sexual misturado com o pouco caso feito com todo sofrimento dos judeus na segunda guerra fez com que até se cogitasse sua saída da F1. No último grande prêmio, sua presença foi vetada pelo Príncipe de Bahrein. Toda sociedade condenou a atitude de Mosley, sobretudo os judeus que se sentiram muito ofendidos. Mas vou falar uma coisa pra vocês: ofendido, me sinto eu com tanta bobagem! Olha, não vou aqui falar que entre quatro paredes vale-tudo, só pra não cair num clichê, mas penso que da vida sexual de cada, cada um é que cuide. Indignado, eu fico, pois me irrita profundamente pessoas que ganham a vida para vasculhar a das outras só para descobrir coisas desse tipo, divulgar e vender mais o próprio jornal. E aí se forma o circo. Tudo porque nossa sóbria e puritana sociedade adora comprar tablóides que escancaram com a vida de pessoas famosas! Acho realmente complicado o pouco caso que o Mosley fez do holocausto, mas se ele pensa assim, pensaria mesmo sem ter realizado essa orgia. E o do jeito que ele expressou esse sadismo dele, não veio a prejudicar ninguém. No vídeo não pareceu que nenhuma moça fazia aquilo forçadamente. O foda é o circo que se monta, circo montado num moralismo que a nossa sociedade não sustenta nem de longe.

Outro circo montado foi sobre o caso da menina Isabela. Eu também fico ferrado quando vejo uma criança sendo assassinada. Para mim, quem faz isso é um monstro que deve ser colocado em uma prisão perpétua, num local bem isolado, onde ele só consiga sobreviver, se ele trabalhar. Mas para saber quem é esse monstro deve haver investigação e julgamento. O que fizeram com o pai da menina foi brincadeira, prenderam o rapaz e sua esposa sem necessidade, pois dentro dos artigos da lei não há nada que justificaria isso. Não to dizendo que eles não são culpados, mas acho que é meio demais. A prisão só foi decretada por toda pressão que existiu por meio da mídia e tudo mais. Especial do Fantástico, Época e Veja com capas de luta... gostaria de saber onde está o luto pelas milhares de crianças que morrem todos os anos em nosso país por causa do tráfico e da miséria de nosso povo? Ah... isso já é comum, pode até se fazer isso, mas não vende, né?! Bando de abutres que não respeitam nem a dor da família. Todos envolvidos com o caso parecem mais atores e a resolução do problema é esperada como o último capítulo da novela “A próxima vítima”. Me lembro que algo parecido aconteceu ao produtor ou diretor do filme “Meu nome não é Johnny”, o filho do rapaz caiu do oitavo andar da sacada de seu apartamento. Ele e a mulher foram presos e depois de alguns dias foi constatado que houve um acidente, a moça tinha tropeçado em casa com o bebê no colo. Uma fatalidade. Na época foi veiculado que os dois tinham sido presos e tal, mas praticamente nada foi falado depois que foi comprovada a inocência deles.

O que me indigna de verdade é isso, é o gosto da sociedade em ver a desgraça dos outros; fica dando uma de moralista, mas mesmo assim exerce todos seus preconceitos todos os dias, to pra ver os judeus aceitarem conversar com os palestinos numa boa para resolver o problema da faixa de Gaza. A mesma sociedade que se indigna com o assassinato de uma criança, acha corriqueiro ver alguém morrer de bala perdida e é incapaz (ou se faz pelo menos!) de ajudar crianças que passam fome do lado de suas casas.

Realmente desprezo o preconceito, mas repudio mais ainda quem compra e corre atrás desse tipo de notícia. Meus sentimentos a família de Isabela e espero que o culpado seja realmente julgado com todo rigor da lei, mas espero mais que todas as mídias tenham mais respeito com a própria memória da menina e que não façam culpados antes da hora.

Vai cueca com freada aí?! É de marca!


Eu, Etiqueta

Em minha calça está grudado um nome
que não é meu de batismo ou de cartório,
um nome... estranho.
Meu blusão traz lembrete de bebida
que jamais pus na boca, nesta vida.
Em minha camiseta, a marca de cigarro
que não fumo, até hoje não fumei.
Minhas meias falam de produto
que nunca experimentei
mas são comunicados a meus pés.
Meu tênis é proclama colorido
de alguma coisa não provada
por este provador de longa idade.
Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro,
minha gravata e cinto e escova e pente,
meu copo, minha xícara,
minha toalha de banho e sabonete,
meu isso, meu aquilo,
desde a cabeça ao bico dos sapatos,
são mensagens,
letras falantes,
gritos visuais,
ordens de uso, abuso, reincidência,
costume, hábito, premência,
indispensabilidade,
e fazem de mim homem-anúncio itinerante,
escravo da matéria anunciada.
Estou, estou na moda.
É doce estar na moda, ainda que a moda
seja negar minha identidade,
trocá-la por mil, açambarcando
todas as marcas registradas,
todos os logotipos de mercado.
Com que inocência demito-me de ser
eu que antes era e me sabia
tão diverso dos outros, tão mim-mesmo,
ser pensante, sentinte e solitário
com outros seres diversos e conscientes
de sua humana invencível condição.
Agora sou anúncio,
ora vulgar, ora bizarro,
em língua nacional ou em qualquer língua
(qualquer, principalmente).
E nisto me comprazo, tiro glória
de minha anulação.
Não sou - vê lá - anúncio contratado.
Eu é que mimosamente pago
para anunciar, para vender
em bares, festas, praias, pérgulas, piscinas,
e bem à vista exibo esta etiqueta
global no corpo que desiste
de ser veste e sandália de uma essência
tão viva, independente,
que moda ou suborno algum a compromete.
Onde terei jogado fora
meu gosto e capacidade de escolher,
minhas idiossincrasias tão pessoais,
tão minhas que no rosto se espelhavam,
e cada gesto, cada olhar,
cada vinco da roupa
resumia uma estética?
Hoje sou costurado, sou tecido,
sou gravado de forma universal,
saio de estamparia, não de casa,
da vitrine me tiram, recolocam,
objeto pulsante mas objeto
que se oferece como signo dos outros
objetos estáticos, tarifados.
Por me ostentar assim, tão orgulhoso
de ser não eu, mas artigo industrial,
peço que meu nome retifiquem.
Já não me convém o título de homem,
meu nome novo é coisa.
Eu sou a coisa, coisamente.

Carlos Drummond de Andrade
in O Corpo
_______________________

Em memória à dignidade humana mais uma vez morta. Dessa vez o óbito ocorreu no primeiro dia de realização do bazar beneficente com os pertences do megatraficante, Abadia.