terça-feira, 20 de maio de 2008

Mentir é o pior caminho

Quando você mente, você tem que ser um bom mentiroso e conseguir levar a sério a sua própria mentira. Assim, você pelo menos consegue ser um pouco convincente. Pois não adianta, quando você tenta inventar uma história, tenta esconder algo, os indícios que aparecem pra trazer a verdade são inúmeros. E nós, quando estamos mentindo, muitas vezes não conseguimos ver esses indícios e vamos embora com nossas historinhas pra boi dormir, achando que todo mundo é otário.

É... quando a gente mente, a gente diz pro mundo: otários! Quando a gente quer enganar, tá dizendo que as pessoas possuem uma inteligência menor que a nossa. Julga o resto de burros mesmo. Achamos que somos mais espertos que todos. E uma mentira é um caminho sem volta ou quase sem volta. Pois falar que mentiu é pra poucos. Chegar e dizer a verdade, sem ser descoberto, é pra muito poucos. Quando uma raridade dessas acontece, é possível até que haja uma consideração pela pessoa que mentiu. No entanto, isso é quase improvável que ocorra. As pessoas só falam que estão escondendo algo quando são pressionadas a dizerem a verdade ou quando a mentira já não se sustenta mais. Isso quando falam! Tem gente ainda que, mesmo assim, chama os outros de louco e diz que não tá mentindo, não.

A pessoa que mente assim mente porque tem medo de algo, possui medo da verdade, medo das conseqüências que a verdade pode trazer. A verdade por vezes pode fazer com que as pessoas venham a perder algumas coisas, mas a verdade só fará com que as pessoas ganhem respeito. E isso, pelo menos pra mim, é o que vale!

Agora... perdem totalmente o respeito, pessoas como esse aí: http://www2.virgula.com.br/virgulando/interna.php?ID=53020

Tudo bem, a fonte é uma porcaria. Mas seria de se estranhar se tivesse uma notícia dele saindo com prostitutas de um motel. Certo? De boa, ele seria muito mais respeitado se falasse a verdade, ao invés de ficar aí mentindo, achando que todo mundo é tonto.

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Os recados foram e estão sendo dados...



Ciclone em Mianmar: o número de mortos pode chegar a 100 mil.





Tornado em Oklahoma e Temporais no nordeste dos EUA: muitos desabrigados e mal começou a temporada de Furações e Tornados.




Chaitén, no Chile: além de estar sofrendo com a atividade do vulcão homônimo ao vilarejo, uma tempestade transbordou o rio Blanco, inundando o local. A população já tinha sido levada para abrigos por conta do risco que o vulcão apresentava.




Terremoto na China: 7,8 graus na escala Richter e o número de mortos sobe para 15 mil.




A fome aumenta a cada dia. Os países da África e da Ásia sofrem mais, pois possuem populações enormes e quase nada de recursos. A água só é encontrada de maneira abundante mesmo aqui na América, logo as outras partes do mundo sofrerão ainda mais com a falta de água.

Os sinais estão sendo bem claros. Aliás, sempre foram. Só que agora estão gritando e mesmo assim a grande massa não se mexe para ter hábitos que melhorem a saúde de nosso planeta. Uma pessoa consegue ser inteligente, consegue reciclar seu lixo, evitar desperdícios de energia e água, consumir apenas o necessário. Mas a massa não é inteligente e segue correndo em bando atrás de consumos cada vez mais desnecessários, não se importando com o que poderá vir depois.

Mesmo que todo mundo comece a ajudar na manutenção do planeta, acredito que já é tarde demais e que muita gente ainda vai morrer nos desastres naturais que seguirão. O planeta possui um equilíbrio complexo e delicado, e o homem não alterou apenas delicadamente esse equilíbrio, alterou de forma drástica. O planeta agora só está tentando recuperar esse equilíbrio, como qualquer organismo vivo, ele apresentará sintomas violentos até conseguir colocar aquilo que coloca sua vida em perigo fora de combate. E hoje é o ser humano que está colocando a vida do planeta em perigo.

Monte Kilimanjaro - a primeira foto é de 1993, a segunda de 2000, na mesma época do ano. Redução significativa de neve do ponto africano mais alto.

terça-feira, 13 de maio de 2008

120 anos da abolição da escravatura?


Acho que não...

- E aí?
- ...
- Me diz o que você tem?
- ...?
- Eu estou preocupado com você...
- Você quer realmente saber?
- Claro.
- Mesmo sabendo que nada poderá fazer pra me ajudar?
- Mesmo assim, me diga.
- Eu estou apaixonado.
- Apaixonado?! – sorri levemente.
- Sim. Eu estou apaixonado e muito!
- Nossa... estou aliviado. Pensei que era algo pior.
- Pior que a angústia de estar apaixonado?!
- É... é uma complicação muito grande.
- Eu não entendo... não sei o que fazer...
- Eu também não entendo. Mas acredito que o amor é um não saber, é ter que ter fé no outro. É também entender que não há ninguém que se encaixará perfeitamente em nossa vida, por mais perfeito que tudo possa parecer ser ou por mais que a gente queira que seja perfeito...
- Mas eu não sei se sou mais eu mesmo. Eu não consigo fazer meus pensamentos fugirem dela.
- Você pode ser você, seja você, pois se você fingir ser outro, ela pode se apaixonar pela pessoa errada. E amar é tentar esquecer e não conseguir. A pessoa amada sempre povoa nosso pensamento a todo instante. E entendo a sua agonia, porque se o amor é correspondido, a pessoa aparece como alguém que nos ajuda a resolver os problemas; quando não é, aparece meio que pra atormentar, pois gostaríamos de fazer planos com ela e isso não é possível.
- É... e se declarar não é tão fácil e acho que ela não gosta de mim, não pelo menos do jeito que eu gosto dela. Ela já me mostrou isso algumas vezes. O que eu vou fazer?
- Ah... te entendo, mas eu também não sei.
- Você já me disse que o amor é a melhor coisa que podemos ter. Com isso que você disse agora, você ainda acha que amar é mesmo tudo?
- Pior que sim. – sorri.
- E se isso que eu to sentindo não é amor, o que mais pode ser!?
- Não sei... estou aprendendo também...

segunda-feira, 12 de maio de 2008

300

Pra fazer o maior estacionamento precisamos dos seguintes itens:

- Uma engenharia de tráfego porcaria, que só serve pra colocar agentes nas ruas pra multar, ao invés de organizar e orientar o trânsito.
- Um sistema de transporte público esfarrapado. Ônibus e trens que rodam em baixa velocidade, em baixa quantidade e com enorme número de passageiros.
- Falta de educação no trânsito: motoristas que não respeitam nem as leis básicas como a de dar seta ao mudar de faixa ou a de não fechar um cruzamento; passageiros de ônibus que ficam na porta do carro, dificultando a entrada de novos passageiros e gerando trânsito no corredor ou passageiros que seguram ônibus que não possuem mais espaço para entrar, mas ficam assim mesmo empatando a partida do coletivo (esse segundo tipo também é comum em trens e metrôs).
- Investimentos irrisórios tanto pra melhoria do transporte público quanto da malha viária. Os políticos pouco se importam com o trânsito, eles vão de helicóptero.
- Uma taxa de juros "camarada"! que possibilita a uma boa parte da população realizar o sonho do carro zero. Com todos esses problemas, quem que tem carro vai querer encarar o caos do transporte público?
- Também tem que ter uma dose boa de egoísmo. Com a alta velocidade de nossa vida, não paramos pra pensar que um vizinho nosso possa ir praticamente pro mesmo lugar que nós todos os dias. Daí saem dois carros do mesmo lugar, partindo prum destino em comum, com apenas duas pessoas. Uma vez tive as manhas de ficar contando quantas pessoas tinha em cada carro na Nove de Julho. A média foi de 13 pessoas para cada 10 carros. Mas que bobagem que eu falei, não é? As pessoas saem, às vezes, da mesma casa para destinos próximos com dois carros. Como é que vão ver essa possibilidade com um vizinho?! Ignorem essa parte, foi de pura burrice do blogueiro.
- Por fim, um tempero especial: uma chuva ou algum acidente nas marginais!

Voilà! 09 de maio de 2008, 267 km de trânsito lento na cidade de São Paulo! Um recorde impressionante. Nesses tempos de Olimpíadas, diria que essa marca mais que garantiria uma vaga pra Sampa em Pequim, caso trânsito fosse um esporte.

Parabéns pra você! Parabéns pra mim! Parabéns a todos brasileiros (não poderia deixar os créditos apenas aos paulistanos) que colaboramos para alcançar essa marca histórica. Agora com a derrubada do antigo recorde (246 km em 1996), a meta é chegar à próxima centena. Rumo aos 300 km!

domingo, 11 de maio de 2008

Me desculpem o termo, mas ela é foda!

Eu não acho que exista nesse mundo alguém perfeito, uma pessoa que faça tudo sempre certo. Mas há sempre uma pessoa que você depois que a percebe na sua vida, não consegue imaginar o mundo sem ela. Pois ela pode até não ser perfeita, mas nos ama de forma tão intensa que nós não conseguimos achar defeitos nessa pessoa. O que falar de alguém que nos apóia em tudo o que fazemos, que reconhece nosso esforço sempre? Que chora ao ver a gente vencendo? Que nos abraça quando estamos sentindo um vazio dentro de nós? E seu abraço é como o calor que chega depois dias frios, nos reanima. O que falar de alguém que mesmo passando por problemas, ainda consegue colocar os nossos como prioridade também? O que dizer pra alguém que se emocionou tanto quando eu fui lá e só disse a verdade, que se eu cheguei a me formar e sou quem sou, é por culpa quase que exclusiva dela? Falar o que pra quem tava triste, mas mesmo assim me mostrou que não preciso bancar o forte e que eu preciso de ajuda também, quando ela é que precisava de ajuda?

Só posso dizer: Mãe, te amo e obrigado por ser minha mãe.

Feliz dia das mães!

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Inusitada

Capivaras na saída da CPTM da Cidade Universitária

Só uma cena inusitada como essa pra gente rir num dia que aparentemente deu tudo errado! Ainda bem que não tive tempo pra jogar na mega-sena, pois era capaz de todos os número que eu jogasse saírem ao contrário!

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Pensamento inacabado...

Eu sei o que falo sobre o sofrimento, que é preciso. Sim, é preciso. Mas de maneira nenhuma acredito que devemos procurar o sofrimento. Essa auto-tortura não nos leva a um amadurecimento. Se penalizar, procurar um castigo ou caminho por onde só existirá dor não levará ninguém a se superar, fora que parece de certa forma uma falta de inteligência. Acredito que já temos problemas demais para ficarmos procurando mais para nossa cabeça e se sabemos que uma determinada decisão nossa só levará a tristeza e a um definhamento de nós mesmos, o mínimo que podemos fazer é aceitar que esse não é um bom caminho e procurarmos por outros. Caso contrário, buscar algo que de alguma forma só nos faz destruir, podemos considerar uma atitude igual ao de quem usa drogas.

Qualquer tipo de relação vive de confiança, respeito e reciprocidade. A confiança é essencial, a lealdade. Às vezes ouço a palavra cumplicidade para simbolizar isso, mas eu gosto mais da palavra companheirismo, acho que ela carrega sentidos melhores. O respeito é fundamental, não há como ficar perto de alguém que você não respeita ou que não te respeita, pois isso fatalmente irá magoar uma das partes pelo menos. E a reciprocidade é o que dará sentido à relação.

Quando um desses pilares de uma relação é derrubado, é muito difícil recolocá-lo no lugar. Mas não é impossível. Acredito que o pilar que dita isso, essa força de uma relação, é o da reciprocidade. Numa relação de amantes, o amor é quem está nesse pilar. Se houver muito amor, talvez haja perdão para que um dos outros pilares seja colocado no lugar novamente. Claro que não será a mesma coisa. Mas quando o pilar da reciprocidade é derrubado, nenhum dos outros ficará de pé. E não tem como nenhum voltar para o lugar. Quando faltar o amor numa relação assim, estará tudo acabado. A tentativa de manutenção desse relacionamento só trará dor, sofrimento, desgaste. Ambos ficarão doentes e pouco conseguirão caminhar para alcançar objetivos maiores. Um será como uma bola de ferro no pé do outro e não crescerão. Ao contrário, se destruirão.

Sendo assim, manter tal relação é buscar um sofrimento eterno, é em parte cometer um suicídio, pois isso é ir se matando ao poucos. Mas mesmo para esse relacionamento ter fim decente e de verdade, um fim que permita que as duas partes caminhem livres, é preciso dizer a verdade, é preciso admitir os erros. Pois sem isso, por mais que as partes andem separadas não haverá um fim, haverá uma pendência, uma coisa mal resolvida. E se isso acontecer, onde antes havia uma relação amorosa, poderá aparecer uma relação de inimizade, onde só mais tristeza, dor e falta de respeito aparecerá. E isso não será bom pra ninguém.......
_______________________________

PS.: que meus amigos me perdoem por eu não escrever uma conclusão decente pra isso tudo o que eu disse, mas acredito que por enquanto eu não tenho a capacidade concluir algo mesmo.